Leonardo Mello de Oliveira

Spider-Man: Renew Your Vows passa por reformulações

Com a chegada da iniciativa Marvel Legacy, a revista Amazing Spider-Man: Renew Your Vows ganha nova equipe criativa, além de dar um salto de oito anos no futuro no tempo em que a história se passa. A partir da edição #13, prevista para novembro deste ano, a HQ que apresenta o Peter Parker de uma realidade paralela onde atua como herói ao lado da esposa Mary Jane e da filha, também heroínas, tem roteiros de Jody Houser e desenhos de Nick Roche.

Em entrevista ao IGN, Roche alegou que o objetivo da revista é imaginar como seria se Peter tivesse nascido com poderes assim como Annie, sua filha nessa realidade, se ele teria a mesma humildade e força que demonstrou quando jovem. Com a passagem de 8 anos, Annie será uma adolescente. Ainda segundo o artista, toda a ideia de que com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades deve ser explorada, assim como a relação entre pais e filhos.

Amazing Spider-Man: Renew Your Vows surgiu como uma das realidades que formavam o mundo bélico de Guerras Secretas. Com a iniciativa Marvel NOW!, de 2016, a HQ ganhou um título próprio. A revista serve como um meio de apresentar como seria se o casamento de Peter e Mary Jane não tivesse sido desfeito e sua filha não tivesse desaparecido, além de uma abordagem super-heroica às duas.

Amazing Spider-Man: Renew Your Vows #13 inicia a revista dentro da Marvel Legacy e tem previsão para chegar às lojas em novembro.


DC anuncia nova minissérie mágica com Mystik U

A DC Comics anunciou uma nova minissérie, que deve reimaginar parte de seus personagens místicos. Mystik U será composto por 4 edições e tem roteiros de Alisa Kwitney e arte de Mike Norton. A HQ apresenta versões de Zatanna, Sebastian Fausto, Magia, Sargon, o Feiticeiro e uma nova personagem chamada Pia Morales e os coloca numa universidade de magia.

Segundo Norton, a história trata sobre uma criança do show biz (Zatanna), um rebelde amargurado (Sebastian Fausto, filho de Félix Fausto), uma personalidade dividida (Magia), uma aluna de medicina competitiva (Pia Morales) e um prodígio esquisito (Sargon) descobrindo suas habilidade de praticar magia verdadeira. Na universidade, seus mentores irão, além de treinar seus talentos, tentar descobrir qual deles irá trair todos os outros e se tornar uma grande força do mal.

De acordo com Kwitney, a HQ explora os aspectos humanos dos personagens, as descobertas e relacionamentos que se desenvolvem nessa época e durante a vivência acadêmica. Também comparou sua história com a franquia Harry Potter, mais por desenvolver a jornada do vilão, como na série de livros de J.K. Rowling. A roteirista ainda revelou que o campus da universidade abriga a Casa dos Segredos e a Casa dos Mistérios, duas locações conhecidas dentro do universo místico da DC Comics.

O título é uma retomada de outra revista com nome similar e que havia sido originalmente anunciada como parte da iniciativa DC & Você, de 2015. Mystic U teria roteiros também de Kwitney e desenhos de Mauricet, mas nunca foi publicada.

Mystik U #1 está programada para sair no dia 29 de novembro, com as duas edições seguintes já divulgadas com periodicidade bimestral.


Etrigan retorna às HQs em nova minissérie

Etrigan, o Demônio, personagem sobrenatural criado por Jack Kirby para a DC Comics nos anos 70, retorna aos quadrinhos em uma nova minissérie de seis edições, programada para novembro. A HQ chamada The Demon: Hell Is Earth tem roteiros de Andrew Constant e arte de Brad Walker e Andrew Henessy.

A HQ inicia com Jason Blood aposentado, vivendo no Vale da Morte, quando uma explosão nuclear abre caminho para uma horda de demônios do Inferno invadirem a Terra. Para impedir as forças do Inferno de dominarem nosso mundo, Jason precisa apelar para sua contraparte, o demônio rimador Etrigan.

A editora divulgou algumas páginas de preview da minissérie, que deve chegar às lojas americanas no dia 15 de novembro.

 


Importante personagem retorna em Dark Nights: Metal

[ALERTA DE SPOILERS]: A notícia a seguir contem spoilers de Dark Nights: Metal #1, disponível em 16 de agosto.

Scott Snyder, roteirista do próximo grande evento da DC Comics, Dark Nights: Metal, revelou, em entrevista ao The Washington Post, a última página da primeira edição da saga, que estará disponível apenas na quarta-feira, 16. Na imagem divulgada, temos o retorno de Daniel Hall, o Sonho dos Perpétuos, que foi apresentado na premiada série Sandman, de Neil Gaiman e é o sucessor do protagonista Morpheus.

Segundo Snyder, Sonho desempenha um papel importante em Metal, sendo um membro crucial na cruzada de Batman e da Liga da Justiça para desvendar os mistérios do Dark Multiverse e do Metal Nth. De acordo com o roteirista, o retorno do personagem tem a benção de seu co-criador Neil Gaiman, que aprovou os planos de Snyder para o membro dos Perpétuos.

Dark Nights: Metal #1 dá início à nova saga da DC Comics e chega às lojas especializadas em 16 de agosto.

 


Anúncios da Panini na ComicCON RS 2017

Uma das principais atrações da ComicCON RS 2017 foi a presença de Levi Trindade, editor-chefe da Panini Comics, e seu painel de anúncios da editora para o segundo semestre de 2017, além de outras novidades de quadrinhos Marvel, DC, Vertigo, Star Wars e nacionais para o ano que vem. A seguir, uma lista detalhada com os títulos comentados.

Marvel

A megassaga Guerra Civil II chega ao Brasil em formato minissérie, com duas edições americanas por edição nacional. A publicação inicia em setembro e deve durar até o início de 2018.

Novas Coleções Históricas Marvel chegam em breve. A minissérie Torneio de Campeões ganha uma edição única, sem caixa colecionadora. A divisão Marvel Terror continua a publicação da série Tumba do Drácula em outubro. A série já teve 4 volumes publicados e deve compor mais um box, com mais três volumes programados para 2018. Além disso, Levi comentou a possibilidade de Hulk e Mestre do Kung Fu ganharem Coleções Históricas ano que vem, com Mestre do Kung sendo publicado em ordem cronológica desde sua primeira aparição.

As graphic novels A Morte do Capitão Marvel e Elektra Vive retornam em capa dura e formato álbum, como publicadas originalmente. Além da história com a morte do Capitão, o volume irá contar com a primeira aparição do personagem e a edição na qual o mesmo luta contra o vilão Nitro, ocasião em que provavelmente adquiriu câncer. Elektra Vive deve chegar para a Comic Con Experience, em dezembro.

Ainda para este ano, estão programados dois encadernados do Pantera Negra. Os mesmos compilam a fase mais recente de Ta-Nehisi Coates e Brian Stelfreeze, completando o arco Uma Nação Sob Nossos Pés.

Para a Coleção Marvel Deluxe, o terceiro volume de Demolidor, com Decálogo. O encadernado irá contar com os últimos dois arcos da fase de Brian Michael Bendis e com o primeiro de Ed Brubaker. A premiada série Alias, de Bendis e Michael Gaydos, ganha republicação este ano, desde o primeiro encadernado. A HQ sai com o mesmo formato no qual foi publicada pela Panini em 2010, com capa dura e papel couchê, dessa vez completando toda a série, que deve compreender dois ou três encadernados no total. A ideia é anteceder a nova fase de Jessica Jones.

As elogiadas minisséries Marvels, de Kurt Busiek e Alex Ross, e 1602, de Neil Gaiman e Andy Kubert, saem em capa dura ainda este ano. Marvels terá capa escolhida pelos leitores ano passado e 1602 deve ser publicada em formato maior que o americano.

Em entrevista ao Redação Multiverso, Levi afirmou que um dos focos de 2018 será a publicação de toda a Trilogia do Infinito, de Jim Starlin. Também declarou que Justiceiro MAX, de Garth Ennis, deve começar a ser republicado ano que vem desde o início, com a minissérie Nascido para Matar. Inumanos, série de Paul Jenkins e Jae Lee, também está programada para 2018.

Star Wars

Para a linha de HQs baseadas na franquia Star Wars, foram anunciados os segundos volumes dos encadernados das séries Star Wars, de Jason Aaron, e Darth Vader, de Kieron Gillen. As duas já tiveram seus primeiros volumes publicados este ano.

Millarworld

O universo de personagens concebidos por Mark Millar ganha força, com 4 novos encadernados capa dura ainda neste ano. MPH, com Duncan Fegredo, Starlight, com Goran Parlov, Círculo de Júpiter, spinoff de Legado de Júpiter, e Crononautas, com Sean Murphy, foram os títulos de Millar prometidos pela Panini.

Nacionais

Da parceria com o estúdio Stout Club, a Panini anunciou para a CCXP deste ano Open Bar, de Eduardo Medeiros, e o terceiro volume de Xampu, de Roger Cruz.

Valente, de Vitor Cafaggi, tem seu sexto e último volume previsto para maio de 2018. No entanto, Levi afirmou que este não é o fim de Valente e que a editora tem planos para o personagem.

DC Comics

A primeira saga do Renascimento, Liga da Justiça Vs. Esquadrão Suicida chega no fim do ano em dois volumes, que devem conter três edições americanas cada. Do evento surge a nova revista da Liga da Justiça da América, de Steve Orlando e Ivan Reis. O título inicia com um especial contendo os one-shots de quatro personagens da equipe e terá revista mensal própria a partir de 2018.

Ainda nos novos títulos do Renascimento, Batgirl sai em encadernado de capa cartonada em outubro deste ano. Superwoman e Batgirl e Aves de Rapina devem ganhar o mesmo tratamento e tem lançamento previsto ainda para 2017.

Na linha da Hanna Barbera, a Panini inicia com a publicação da série Future Quest em dois encadernados programados para outubro e novembro. Flintstones terão seu primeiro volume em encadernado ainda em 2017. Scooby Apocalypse e Corrida Maluca devem ganhar o mesmo tratamento no próximo ano.

Nos encadernados de luxo, A Noite Mais Densa chega em um compilado maior, incluindo a série principal e mais os tie-ins com a revista do Lanterna Verde. Gotham D.P.G.C. finaliza com o quarto volume programado para setembro. O encadernado Os Maiores Super-Heróis do Mundo, que compila graphic novels de Paul Dini e Alex Ross, retorna em novembro. Também em novembro, deve chegar a aguardada encadernação em capa dura de Superman: Entre a Foice e o Martelo,  de Mark Millar. Também foram confirmadas as republicações de Reino do Amanhã e Watchmen para 2017. Em entrevista, Levi afirmou que há planos de republicar Crise nas Infinitas Terras em 2018.

Também afirmou que mais republicações de material de Jack Kirby na DC estão previstas somente para 2018. Segundo o editor, há a ideia de publicar The Demon, série mais curta do artista, e depois experimentar a publicação de seu material na revista Superman’s Pal, Jimmy Olsen, que pode dar início a uma leva de HQs do Quarto Mundo.

Vertigo

Para a Vertigo, foi confirmado o segundo volume de Promethea ainda para este ano. A edição deve contar com páginas desdobráveis, incluídas na sua publicação original. Escalpo deve sair em encadernados que compilam dez edições e a ideia é de completa-lo em cinco volumes, com dois a três por ano. O primeiro chega para a CCXP. Também está programado para este ano o sétimo volume de Vampiro Americano, de Scott Snyder e Rafael Albuquerque. Ainda teremos o lançamento do inédito Clean Room, de Gail Simone, que sairá com o título Sala Imaculada. A elogiada graphic novel de Paul Dini e Eduardo Risso, Dark Night: A True Batman Story, será publicada com o título Uma Noite de Trevas ainda em 2017.


Nove HQs para conhecer José Luis García-López

Um dos mais influentes artistas de quadrinhos e um dos principais nomes a fazerem a história da DC Comics, José Luis García-López contribui com seu lápis para várias publicações ao longo dos anos. Muitos dos seus trabalhos viraram clássicos cultuados até hoje e continuam a influenciar demais desenhistas da indústria. Compilamos nove HQs essenciais para quem quiser conhecer melhor a arte deste grande mestre, em comemoração à sua vinda para o Brasil neste fim de semana, como convidado internacional da ComicCON RS 2017.

Superman

Um dos trabalhos mais lembrados de García-López sem dúvida é sua contribuição para a revista do Superman. Na metade dos anos 70, o artista marcou o Homem de Aço com sua arte anatomicamente perfeita e enquadramentos de ação de tirar o fôlego. Em histórias bem mais simplistas, ainda com resquícios da Era de Prata, García-López foi acompanhado pelo roteirista Gerry Conway na maioria das edições que desenhou. No decorrer do run, vemos Superman enfrentando criminosos radioativos, planos mirabolantes de Lex Luthor e suas próprias dúvidas pessoais, como seu lugar no planeta Terra. Além disso, o kryptoniano ainda usa uma gama de poderes que podem parecer estranhos atualmente, como a hipnose. A Panini publicou recentemente todo o período do desenhista no Superman, em duas edições dos encadernados Lendas do Homem de Aço.

Jonah Hex

(Colaboração de Jonathan Nunes)

Um trabalho incrivelmente competente, porém, pouco mencionado de Garcia-Lopez, é a sua fase na HQ do desfigurado pistoleiro Jonah Hex. Apesar do personagem ter sido criado no traço do Tony Dezuniga, poucos artistas deram tanta personalidade ao caçador de recompensas como Garcia o fez. O artista estreou no título em Weird Western Tale #32, de 1976, apresentando uma das melhores narrativas de Hex ao enfrentar o rebelde índio Bigfoot.
O traço característico e limpo de Garcia-Lopez, deu a trama de Hex uma agilidade e dramaticidade até então não vista nas HQs do pistoleiro, algo que fez o artista voltar em mais 12 oportunidades para assumir a arte da revista. Essa confiança no traço do artista, fez com que dois dos vilões mais clássicos de Hex aparecessem pela primeira vez sob a responsabilidade de Lopez; o mestre dos disfarces Chamaleon, e o mexicano El Papagayo. Lopez também desenhou várias capas da revista, entre elas uma que mostra Jonah Hex em uma aventura na Amazônia brasileira.

Superman vs. Wonder Woman

A parceria com Gerry Conway na revista Superman renderia a García-López uma incontável série de histórias aclamadas. Uma delas, envolvendo o próprio Superman, publicada no especial All New Collectors’ Edition C-54, em 1977. A história se passa na Terra-2, na época da Segunda Guerra Mundial, e conta com o atrativo de uma batalha épica entre o Superman e a Mulher-Maravilha dessa Terra. A graphic novel de 74 páginas mostra um conflito de ideias entre os dois heróis quando ambos ficam sabendo da posse de uma ogiva nuclear por parte do governo dos Estados Unidos. Enquanto Clark Kent confia na responsabilidade do país, Diana Prince acredita que o melhor seria que nenhuma nação possuísse uma arma tão poderosa. Como em qualquer crossover, os dois ícones ainda devem enfrentar a ameaça do Barão Blitzkrieg e do Samurai Sumô, que pretendem roubar a ogiva para o Eixo. Uma história cheia de ação e reviravoltas, lindamente desenhada pelo artista espanhol. Foi publicada pela Panini dentro do primeiro volume de Lendas do Homem de Aço.

Esquadrão Atari

O conceito da segunda equipe do Esquadrão Atari foi criado pelas geniais mentes da dupla Gerry Conway e García-López, que desenhou os 12 primeiros números da série, em 1984. A equipe era a segunda encarnação de um time de aventureiros e exploradores dimensionais, inicialmente criados em uma iniciativa da DC com a produtora de videogames Atari. Liderado pelo líder do primeiro esquadrão, Martin Champion, o grupo contava com vários tipos alienígenas diferentes, que, juntos, lutavam contra o Destruidor Negro. A série é considerada uma obra-prima de ficção científica, tanto por seus plots profundamente inspirados pelos conceitos do gênero quanto pela arte esplendorosa de García-López. O artista criou visuais exóticos para várias espécies alienígenas, além de imaginar cenários e arquiteturas cósmicas ricas em detalhes. A série foi publicada somente pela Abril, dentro das revistas Heróis em Ação e Superamigos.

Cinder & Ashe

(Colaboração de Marina de Campos)

Em um de seus trabalhos mais originais, García-López repete a parceria de Atari Force com Gerry Conway na aclamada minissérie que se tornou um dos títulos cult da DC Comics. Com uma trama policial madura e diferente do que se via na editora nos anos 1980, antes da criação da Vertigo, Cinder & Ashe se destinava ao público adulto e trazia uma dupla de investigadores particulares que assumem o caso do desaparecimento da filha de Wilson Starger, mas deparam-se com Lacey, uma figura perigosa que está conectada ao passado dos dois e suas sombrias memórias da Guerra do Vietnã. Distante da estética dos super-heróis que ajudou a imortalizar, García-López se mantém sóbrio e elegante, mas revela novas facetas ao explorar o clima noir e mais violento da história, transmitindo ação, drama e suspense como ninguém. Pouco conhecido por aqui, esse clássico alternativo da carreira do artista saiu no Brasil apenas pela editora Abril em 1989.

Batman vs. Hulk

O terceiro crossover entre as editoras Marvel e DC foi concebido pela dupla Len Wein e José Luis García-López, em 1981. Na história, Bruce Banner trabalha nas Indústrias Wayne para vigiar um experimento com radiação gama em desenvolvimento. Quando o Coringa decide roubar o projeto para ajudar um ser chamado Figurador, capaz de transformar sonhos em realidade, o Hulk acaba despertando e atraindo a atenção do Batman. A inusitada dupla tem de trabalhar junta para impedir os planos malucos do Palhaço do Crime envolvendo a estranha entidade. Mais um trabalho de García-López em que a ação predomina, com cenas dinâmicas e elegantes, que compõem verdadeiras coreografias de lutas e batalhas. O desenhista ainda aproveita para experimentar com cenas psicodélicas envolvendo o Coringa, mostrando uma respeitável versatilidade. O crossover foi publicado no Brasil pela última vez pela Editora Abril, em Grandes Encontros Marvel & DC #3, de 1993.

Novos Titãs

Apesar de sua passagem durar apenas cinco edições, García-López marcou a revista New Teen Titans ao ilustrar um arco épico da história dos jovens heróis no comando do roteirista Marv Wolfman. Ao explorar as origens divinas de Lilith, membro da equipe com poderes psíquicos, os Jovens Titãs ficam cara a cara com os Titãs da mitologia grega. O desenhista também foi o responsável pela primeira aparição da personagem Quartzo, que depois apareceria em Crise nas Infinitas Terras. García-López pôde engrandecer ainda mais sua arte, desenhando a complexa arquitetura do Monte Olimpo Grego e muitos deuses e criaturas mitológicas, sendo também o responsável pelo criativo visual de Quartzo. Por incrível que pareça, o arco permanece inédito no Brasil.

Road to Perdition

(Colaboração de Marina de Campos)

Outra chance de conferir um lado completamente diferente de seu trabalho é Road to Perdition, ou Estrada para a Perdição, série publicada pela divisão Paradox Press da DC Comics na virada dos anos 2000. Escrita por Max Allan Collins, a trama se passa durante a Grande Depressão Americana e acompanha um mafioso e seu filho enquanto buscam vingança após uma imperdoável traição. A obra ganhou uma elogiada adaptação para o cinema pelo diretor Sam Mendes em 2002, estrelando Tom Hanks, Paul Newman, Jude Law e Daniel Craig. García-López assina as sequências que desenvolvem esse universo publicadas a partir de 2003, e surpreende com uma arte detalhista em preto e branco que evoca todo o clima noir da história e se aproveita da época para uma reconstrução histórica impressionante.

Twilight

Ao lado do grande roteirista Howard Chaykin, García-López pôde mais uma vez se jogar na ficção científica espacial e reimaginar um novo universo futurista para DC Comics na minissérie Twilight. Publicada em 1990, a história contava com novas versões de personagens espaciais obscuros da editora, criados principalmente nos anos 50. A trama girava em torno do herói renegado Léo Futuro, que, após derrotar Karel Sorenson, membro dos Ciganos Estelares que havia se tornado uma deusa viva depois de se envolver numa explosão com uma raça de aliens imortais, se torna um déspota ao absorver os poderes de Sorenson. A série reapresenta ainda versões de Star Hawkins, Ranger do Espaço, Ironwolf e muitos outros. Assim como em Esquadrão Atari, García-López aproveita a liberdade criativa que tem para desenvolver cenários futuristas deslumbrantes e visuais alienígenas bizarros. A minissérie foi publicada em três edições pela DC em formato Prestige e nunca chegou ao Brasil.


A representação da juventude no Valente de Vitor Cafaggi 

É de conhecimento de qualquer um que acompanha o cenário de quadrinhos nacional a importância do roteirista/artista mineiro Vitor Cafaggi para o mercado. Responsável por duas graphics MSP populares, que reimaginaram o universo da Turma da Mônica de Mauricio de Sousa, o quadrinista trouxe frescor, sensibilidade e novidade para um segmento às vezes ignorado por parte dos colecionadores de HQs convencionais. Também é sabido que Cafaggi é um fã confesso do Homem-Aranha. Tanto é que um de seus primeiros trabalhos de destaque foi a webcomic Puny Parker, onde imaginava a infância de Peter Parker num traço fofo e com histórias muitas vezes sentimentais. Não por acaso, sua criação mais conhecida se trata de uma espécie de evolução de Puny Parker, uma tira que traz a essência das histórias clássicas do Cabeça-de-Teia: Valente, provavelmente um dos quadrinhos mais cativantes que você irá encontrar.

Valente traz em seu âmago a pedra fundamental do sucesso do Homem-Aranha e de Peter Parker, aquilo que muitos fãs consideram o diferencial das histórias do Aracnídeo. Trata-se da emoção que a HQ transmite ao leitor, aquela sensação mágica de identificação que faz com que torçamos veementemente pelo herói. É fácil de se comprovar quando tentamos selecionar grandes momentos do Aranha nos quadrinhos. Veremos que a maioria não será de cenas épicas de ação, mas de situações às vezes corriqueiras, relacionadas às escolhas e aos sentimentos de Peter. É um tanto quanto difícil de tentar explicar, visto que é um conceito intrinsecamente emocional e sensorial, que muda de leitor para leitor.

As tiras de Valente andam pelo mesmo caminho. Melhor, elas fazem da identificação, da emoção e da sensibilidade seus pilares de construção de narrativa. A HQ trata de um período pelo qual todos passam, um momento na vida em que tudo parece novo e excitante, mas ao mesmo tempo difícil e assustador. A juventude retratada em Valente é tão palpável que às vezes nos esquecemos de que estamos lendo uma história cujos protagonistas são animais antropomórficos. Os personagens nos são tão semelhantes que parecem se tornar nossos amigos.

Um grande trunfo da HQ é a caracterização do protagonista. Valente é um personagem extremamente comum, e é isso que o faz ser tão encantador. Ele não tem poderes especiais, nem é o escolhido por uma entidade cósmica ou possui inteligência acima da média. Nem mesmo se envolve em todo tipo de drama trágico. Morte, traição, casamento e dinheiro não movimentam sua história. Apesar de ser um cachorro, é construído de maneira tão humana que isso acaba ficando em segundo plano. Suas preocupações maiores envolvem a indecisão de mandar uma mensagem para a menina que ele gosta, ou se deve ir ao jogo de RPG dos amigos ou esperar a garota que está atrasada para o encontro. Valente é a personificação do leitor, ele é alguém normal, com seus hobbies, tarefas, paixões e dúvidas, muitas dúvidas. A juventude retratada está, esteve ou estará presente na vida de qualquer um que lê.

Não seria errado pensar que o amor é o grande catalisador das tramas da HQ. No entanto, não se trata do romance clichê, com personagens estereotipados com papéis específicos a cumprir dentro da trama. É o amor em construção, é sobre um jovem que tem que viver sua vida e desenvolver sua maneira de amar. É sobre o amor e a paixão como um conceito social, algo que pode unir ou separar pessoas, proporcionar experiências e moldar personalidades. Valente é ansioso, se apaixona a todo o momento por alguém diferente e precisa aprender a lidar com isso. Alguém que pensa com o coração, que deixa a emoção levar sua vida. Emoção que contagia o leitor e que faz com que ele se interesse pelo personagem e que queira saber aonde ele vai chegar.

Valente é a representação genuína da juventude como ela é, sem floreios ou muitas liberdades poéticas. É o desenvolvimento do adulto que irá surgir, um rito de passagem frenético e avassalador, cheio de altos e baixos, paixões e desilusões, amigos e desafetos. Um quadrinho extremamente sensível e tocante, pronto pra te fazer rir e chorar. Uma HQ que te convida, mesmo que você não perceba em meio a tanta diversão, a refletir sobre o jovem que existe, existiu ou existirá dentro de você. Valente é para todos, um quadrinho para o que der e vier que, por opção, fica marcado para sempre no coração de quem o lê, para onde quer que o leitor vá.


Marvel revela o visual dos Vingadores de 1,000,00 A.C.

A Marvel Comics divulgou durante a última semana artes do brasileiro Mike Deodato Jr. que revelam o visual dos membros dos Vingadores de 1,000,00 A.C., os protagonistas do one-shot Marvel Legacy #1, de Jason Aaron e Esad Ribic. A HQ dá início à nova iniciativa da editora e chega às lojas americanas em setembro.

Os Vingadores de 1,000,000 A.C. são Odin, Ghost Rider, Agamotto, Punho de Ferro, Fênix, Estigma e Pantera Negra. A revista apresenta o início do Universo Marvel e promete mostrar como tudo nele está conectado.

Marvel Legacy #1 tem roteiros de Jason Aaron e arte de Esad Ribic. O one-shot de 50 páginas tem previsão de lançamento para 27 de setembro deste ano.


Panini lança Super Powers de Jack Kirby

A Panini Comics, através de seu hotsite oficial, anunciou o encadernado Lendas do Universo DC: Super Powers vol. 1, que republica a minissérie em cinco partes idealizada por Jack Kirby em 1984. A HQ está planejada para agosto e deve ter continuidade em um segundo volume programado para setembro.

A minissérie reúne alguns dos principais heróis da DC e foi inicialmente pensada para acompanhar o lançamento de uma linha de brinquedos da Kenner em parceria com a editora, que incluía action figures de personagens como Batman, Superman, Mulher-Maravilha e muitos outros. O plot da revista foi idealizado por Kirby, que também fez as capas da série. Os roteiros são de Joey Cavalieri e os desenhos, de Adrian Gonzales.

A edição da Panini tem formato americano, 132 páginas, capa cartão e miolo off-set. O preço ainda não foi divulgado.


SDCC: Aranha de Ferro retorna em Marvel Legacy

Durante o painel Cup o’ Joe da Marvel Comics na San Diego Comic Con, foi revelado que o primeiro arco da revista Spider-Man na iniciativa Marvel Legacy trará novas versões do Aranha de Ferro e do Sexteto Sinistro. A nova ameaça a ser enfrentada por Miles Morales inicia em Spider-Man #234.

Com base na capa lenticular divulgada para Spider-Man #234, a nova formação do Sexteto Sinistro será Homem-Areia, a nova Electro, Duende Macabro, Mancha, Granada e o novo Aranha de Ferro, que ainda não teve sua identidade revelada.

O Aranha de Ferro apareceu pela primeira vez durante os eventos pré-Guerra Civil. Trata-se de um traje tecnológico desenvolvido por Tony Stark para Peter Parker, como parte das estratégias de Stark para ter o Homem-Aranha do seu lado durante os conflitos que viriam.

O título estrelado por Miles Morales retoma a numeração original de Ultimate Spider-Man, indo agora para edição #234 na nova iniciativa editorial. A edição tem roteiros de Brian Michael Bendis e arte de Nico Leon e está programada para sair durante o último trimestre deste ano.


Redação Multiverso é o site colaborativo de produção de conteúdo sobre quadrinhos
da Produtora Multiverso, em uma iniciativa paralela e complementar à realização da
ComicCON RS – principal convenção de quadrinhos e cultura pop do Rio Grande do Sul.