reviews

Punho de Ferro, 1ª Temporada

A mais recente série da parceria Marvel/Netflix estreou sua temporada completa no serviço de streaming dividindo opiniões. Punho de Ferro é a última série solo antes da união dos personagens na série dos Defensores, programada ainda para este ano. Porém, apesar do show acertar em preparar o caminho para as próximas produções do canal, a série do Punho de Ferro fica devendo em sua execução e trama, e muitas vezes parece se perder e tropeçar nos próprios princípios.

A premissa gira em torno do protagonista Danny Rand, que sofreu um acidente de avião no Himalaia durante sua infância. O desastre causou a morte de sua mãe, Heather Rand, e seu pai, o bilionário Wendel Rand. Encontrado por dois monges, Danny é levado a cidade mística de K’un Lun, que aparece no plano terrestre apenas a cada quinze anos. Lá, o garoto é treinado para ser tornar um grande guerreiro marcial, e ao derrotar o dragão imortal Shou-Lao, conquista o poder do Punho de Ferro, a arma viva. Mas ao invés de assumir o cargo de protetor da cidade celestial, Danny volta a Nova York em busca de respostas sobre seu passado e a morte de seus pais.

O Danny Rand apresentado na série não é exatamente o guerreiro com o qual a maioria do público está acostumado nos quadrinhos. O protagonista aqui é um rapaz ingênuo, e que logo nos primeiros episódios é facilmente manipulado por todos à sua volta. Faz sentido que tal situação ocorra, visto que ele foi criado a vida toda em um monastério e não tem conhecimento sobre a vida na cidade. Porém, quanto mais o personagem descobre as tramas em que acaba caindo, menos ele aprende, e continua emaranhando-se em armações parecidas ao longo de todo show, nos fazendo questionar como uma pessoa que demora tanto para aprender com seus erros teve a disciplina e a capacidade para se tornar um dos maiores guerreiros marciais vivos. Para completar, a atuação mediana de Finn Jones não contribui para a construção do personagem, fazendo com que o público não se sinta ligado ou realmente se importe com os problemas de Danny.

Apesar de muitas reclamações quanto ao ritmo lento da temporada, os problemas da série podem ser mais atribuídos à inconstância de seus personagens e à desorientação da trama principal. Vide o caso de Joy Meachum, interpretada por Jessica Stroup, que em momentos se apresenta como uma amiga que se importa com Danny e com a atitude certa a tomar, mas em outros se mostra uma empresária sem escrúpulos e sem coração, determinada a tudo pelo sucesso da empresa. Essas mudanças na fundação da personagem em momento algum se apresentam de maneira convincente, a transformando em uma figura deveras superficial.

Para um show que tem como protagonista um artista marcial místico, a série do Punho de Ferro falha miseravelmente ao praticamente não apresentar nenhum desses elementos. K’un Lun é referenciada em todo episódio, mas as únicas coisas que realmente vemos referentes à cidade celestial são a entrada da caverna de Shou-Lao e breves aparições espirituais de Lei Kung, mestre de Danny. O próprio Danny Rand exerce o poder do Punho de maneira muito econômica ao longo do programa, usando a desculpa de que por ter abandonado a cidade celeste, não recebeu o treinamento necessário sobre a arte. Além disso, a série apresenta certas incongruências que a fazem perder credibilidade, como o fato de Danny não ter dificuldades na hora de enfrentar dezenas de faixas pretas em Kung Fu, mas apanhar com frequência para capangas solitários.

Porém, o maior problema da série não se encontra em seu protagonista e sim em seu antagonista, ou melhor dizendo, ao fato de o espectador nunca conseguir definir quem realmente é o grande vilão. Parte da crítica e do público reclamou de que no meio de sua temporada, a série do Luke Cage troca de vilão principal de maneira precipitada, fazendo com que a segunda metade seja muito inferior em qualidade. O que dizer então da série do Punho de Ferro, que troca de antagonista com frequência, sem saber definir valores para os mesmos? Sem elucidar de maneira expressiva qual a força do antagonismo que realmente devemos temer, a série acaba caindo em marasmo, penando por coerência, e tornando compreensivo o desânimo de alguns espectadores.

Apesar dessas diversas falhas, é errado dizer que a série do Punho de Ferro não acerta em momento algum. Se muitos personagens tiveram problemas em suas construções, o mesmo não pode ser dito de Colleen Wing, interpretada por Jessica Henwick. A personagem conquista o público com sua determinação e coragem, e pode ser considerada facilmente o ponto forte do programa. As cenas mais emotivas e intensas da série são carregadas de maneira extremamente competente por Colleen, já nos deixando ansiosos para revê-la futuramente em Defensores.

Os produtores também acertam na forma como encaixam Danny dentro do universo compartilhado da Marvel. As referências a Demolidor, Luke Cage e Jessica Jones não são apenas para agradar aos fãs, mas também fazem com que a série evolua como história. As participações de personagens já apresentados nas outras séries, como Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss) e Claire Temple (Rosario Dawson) são fundamentais para o andamento e progresso da trama. Além disso, a série dá a entender que o Tentáculo provavelmente será o vilão que juntará todos os heróis para suas próximas aventuras em Defensores. Para completar, as cenas de luta são deveras convincentes, apesar de que para uma trama que foca nas artes marciais, ainda ficam devendo para outras séries, como a do próprio Demolidor.

No fim das contas, a série do Punho de Ferro preza pela inserção do personagem no universo urbano da Marvel/Netflix e deixa de lado as origens místicas e orientais do herói, o que causa ao público uma sensação incômoda, e até mesmo o faz sentir-se levemente ludibriado. Resta esperar uma participação mais ativa e convincente do personagem na série dos Defensores, e que numa futura segunda temporada da série, caso ela exista, os produtores decidam tratar com mais atenção as origens do personagem, para que possamos conhecer melhor a cidade celeste de K’un Lun e todos os seus mistérios e desafios.

Título Nacional: Marvel Punho de Ferro (1ª Temporada)

Título Original: Marvel’s Iron Fist (1ª Temporada)

Emissora: Netflix

Ano de Lançamento: 2017

Número de episódios: 13

Nota do Resenhista: 2,5 (de 5)

Leia Também

Redação Multiverso é o site colaborativo de produção de conteúdo sobre quadrinhos
da Produtora Multiverso, em uma iniciativa paralela e complementar à realização da
ComicCON RS – principal convenção de quadrinhos e cultura pop do Rio Grande do Sul.